Relações com Investidores

Ampliando o público

19/08/2014

Com sede no País desde 2009, a escocesa Aberdeen sempre se focou em gerir os ativos brasileiros de seus fundos estrangeiros. Agora, quer atrair recursos de aplicadores locais. Para isso, vai lançar dois fundos no Brasil: um de ações, focado no longo prazo, e outro multimercado, com 50% do patrimônio em renda fixa e 50% em ações.

Com o registro na CVM obtido, a gestora está montando a rede de distribuidores.

Neste trimestre, os fundos devem ser abertos para captação. Serão compostos de ações de setores como bancos, shoppings, varejo e saúde. A escocesa evita empresas que tenham intervenção ou recebam estímulos governamentais. Por isso, o setor de educação não faz sua cabeça. Ela acredita que a dependência das universidades de programas de financiamento do governo federal, como FIES, pode se revelar um problema no futuro.

Autor: Bruna Maia Carrion

Fonte: Revista Capital Aberto/Edição 132/Agosto de 2014

Link: http://bit.ly/XBbtcq