Bolsa

Comentários sobre o Mercado

18/12/2015

  • A BlackBerry Ltd. registou alta de 9% antes da abertura do mercado após a fabricante de smartphones ter anunciado resultados trimestrais acima do esperado.
  • Com relação a notícias relacionadas a fusões e aquisições, a Bristol-Myers Squibb Co. pode estar em busca de oportunidades após a GlaxoSmithKline ter afirmado que irá comprar o pipeline de medicamentos para HIV da companhia americana.
  • A Zurich Insurance Group AG pagará US$ 1,05 bilhão pelo negócio de seguro agrícola da Wells Fargo & Co.
  • A ansiedade, a angústia e a preocupação, sentimentos "companheiros" em ambientes de trabalho marcados pela competitividade e pela pressão por bons resultados, ficam ainda mais acirrados quando a economia navega por águas revoltas. É o que mostra pesquisa da International Stress Management Association no Brasil (Isma¬BR) divulgada neste ano. Segundo a associação, que atua em 12 países, dos mil profissionais consultados, 89% apresentaram ansiedade, 83% angústia e 78% preocupação. Os sintomas decorrem de "fatores estressores", como o medo de demissão (63% dos casos), falta de tempo para dar conta da sobrecarga de tarefas (62%), comportamentos passivo ou agressivo (41%), e desequilíbrio entre esforço e gratificação (37%).
  • A queda da taxa de desemprego em novembro, de 7,9% no mês anterior para 7,5%, contrariou as expectativas do mercado, que previam estabilidade do indicador, mas não reverteu a avaliação de economistas de que a desaceleração expressiva pela qual passa o mercado de trabalho permanece em curso e deve se estender ao longo de 2016. Isso porque, descontado o impacto da sazonalidade, como as contratações temporárias típicas do último quadrimestre, o desemprego não cai em novembro. O comportamento dos salários, que somaram a décima queda consecutiva, também dá dimensão do ajuste. Em novembro, a renda média real recuou 8,8%, a contração mais intensa do ano, e já acumula perda de 3,5% em 2015 ¬ também a maior da série.
  • O Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, tentou até o último momento influenciar parlamentares a aprovar uma meta fiscal flexível para o próximo ano, segundo a presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (PMDB¬ES). Mesmo com o acordo fechado entre parlamentares da base governista e oposição para aprovar as matérias orçamentárias ontem, com a meta fixada em 0,5% do PIB, sem a possibilidade de abatimentos, Barbosa teria insistido em tentar emplacar mecanismos para o abatimento da meta.
  • O plenário do Congresso Nacional aprovou ontem, em votações simbólicas, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o Orçamento para 2016. O texto prevê receita de R$ 10,1 bilhões, a ser obtida com a volta da cobrança da CPMF partir de setembro, descontado o Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), que será reduzido. Seguindo o acordo feito entre partidos da base e oposição na Comissão Mista de Orçamento (CMO), que alterou a meta fiscal, não foram usadas manobras regimentais para atrasar as votações, o que permitirá a realização do recesso parlamentar. A nova meta de superávit primário será de R$ 30,5 bilhões (0,5% do PIB). Caberá ao governo central economizar R$ 24 bilhões, e a Estados e municípios, R$ 6,5 bilhões. A meta foi diminuída para o governo central em R$ 10 bilhões para evitar o corte na previsão de recursos do programa Bolsa Família.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.308,00

-0,28%

S&P 500 Index

2.021,50

-0,16%

Nasdaq Composite Index

4.573,75

0,09%

Ibovespa

44.301,37

-2,12%

Índices Globais

Japão: Nikkei

18.986,80

-1,90%

China: Shanghai

3.746,76

-0,03%

Hong Kong: Hang Seng

21.755,56

-0,53%

Alemanha: DAX

10.611,13

-1,18%

França: CAC 40

4.622,39

-1,18%

Londres: FTSE

6.074,68

-0,46%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$35,82

2,49%

Ouro ($/oz)

$1.060,20

1,01%