Bolsa

Comentários sobre o Mercado

23/11/2015

  • Os preços do petróleo flutuaram após o governo da Arábia Saudita ter feito um pronunciamento em que afirmou que o reino continua disposto a trabalhar com outros países produtores e exportadores de petróleo para estabilizar os preços.
  • A General Electric concordou em vender a sua carteira de financiamentos imobiliários de US$5,9 bilhões a um consórcio de investimento liderado por Blackstone, TPG Special Situations Partners e CarVal Investors.
  • De janeiro até outubro, a tarifa de energia elétrica residencial saltou 49% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mas a variação média elevada esconde situações diferentes em cada região. Enquanto em São Paulo e Curitiba, o aumento da conta alcançou 70% no período, as cidades do Nordeste e do Norte pesquisadas pelo IBGE registraram inflação menor nesse item, ainda que acima de 10% em todos os casos. A capital com maior aumento de eletricidade foi Fortaleza, onde as tarifas avançaram 37,84% no acumulado do ano. Em seguida, aparecem Salvador (27,67%), Recife (22,84%) e Belém (17,07%).
  • Após quatro meses sob restrição, o banco alemão Deutsche Bank retomou a cobertura de JBS com recomendação de compra e preço¬ alvo para as ações da companhia de R$ 30. O valor embute um potencial de valorização de 113% sobre o fechamento das cotações da JBS na quinta¬-feira. Em relatório, o Deutsche argumentou que a recomendação de compra reflete aquisições feitas em 2015, ganhos com derivativos cambiais no terceiro trimestre e reflexos positivo da alta do dólar. Na avaliação do banco, após as dificuldades enfrentadas no primeiro semestre pela divisão de bovinos na América do Sul (JBS Mercosul), a JBS conseguiu recuperar a margem do negócio. A expectativa do banco é que a rentabilidade da JBS Mercosul permaneça em níveis elevados pelo menos até 2016.
  • A queda na produção da indústria brasileira observada no terceiro trimestre atingiu de forma mais expressiva os segmentos de alta tecnologia. Dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) apontam que, quanto mais alta a intensidade tecnológica do segmento produtivo, maior o tombo registrado na produção entre julho e setembro. Apesar disso, a queda foi generalizada. O segmento de alta tecnologia teve retração de 20% na produção do trimestre em relação a igual período de 2014 o de média-alta recuou 18%.
  • A Pfizer e a Allergan, donas de marcas líderes como Provenar e Botox, estão prestes a fechar um acordo de fusão, em um negócio avaliado em mais de US$ 150 bilhões que criaria a maior empresa farmacêutica do mundo em vendas. Os termos finais do acordo incluem 11,3 ações da Pfizer para cada ação da Allergan, segundo fontes, e pequena parcela em dinheiro. O presidente da Pfizer, Ian Read, vai comandar a empresa resultante do negócio e o diretor-presidente da Allergan, Brent Saunders, terá o segundo lugar na hierarquia da companhia.
  • Os argentinos votaram ontem por uma radical mudança, encerrando o ciclo de poder de 12 anos dos Kirchner, calcado no populismo, e dando a vitória a um político neoliberal, de centro-¬direita, Mauricio Macri. Com pouco mais de 65% dos votos contados, o candidato governista Daniel Scioli cumprimentou seu rival pela vitória. Em toda a apuração, a margem de Macri manteve-¬se quase constante, com cerca de 7 pontos percentuais de vantagem. Começa agora a fase das grandes expectativas: em que medida Macri terá condições de sanar os problemas econômicos, como uma inflação de 25%, déficit fiscal de mais de 7% do Produto Interno Bruto e um nível de reservas internacionais tão baixo que deixa as empresas à beira da incapacidade de produzir por falta de insumos importados.
  • A Petrobras pagou neste mês ao governo cerca de R$ 650 milhões em participações especiais relativas ao lucro obtido no terceiro trimestre com a produção de petróleo nas áreas de Lula e Cernambi, no pré¬-sal da Bacia de Santos. A empresa teve que desembolsar esse valor por causa de ordem judicial na disputa com a ANP sobre esses campos. A Petrobras, que recorre da decisão, defende a separação dos dois campos porque quanto maior a área, maior o valor a ser pago em participação especial.
  • Líder mundial no armazenamento de energia em baterias, a AES planeja investir no setor no Brasil a partir do ano que vem. A aplicação mais importante no país deverá ser na integração de fontes renováveis intermitentes ao sistema elétrico ¬ principalmente eólica e solar, que ganham cada vez mais espaço no Brasil. A empresa também considera essa tecnologia promissora para melhorar a eficiência do sistema de transmissão e na oferta de energia em horários de pico de consumo.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.777,00

-0,13%

S&P 500 Index

2.085,75

-0,14%

Nasdaq Composite Index

4.685,75

-0,08%

Ibovespa

48.482,54

0,71%

Índices Globais

Japão: Nikkei

19.879,81

0,00%

China: Shanghai

3.780,92

-0,55%

Hong Kong: Hang Seng

22.665,90

-0,39%

Alemanha: DAX

11.080,37

-0,35%

França: CAC 40

4.879,26

-0,65%

Londres: FTSE

6.304,04

-0,49%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$41,16

-1,77%

Ouro ($/oz)

$1.067,50

-0,82%