Bolsa

Comentários sobre o Mercado - 16/10/2015

  • O mercado reagiu ao comentário do Presidente do Fed em Nova Iorque, William Dudley, que afirmou ser favorável a um aumento nas taxas de juros ainda esse ano, dependendo do desempenho da economia. Ele acrescentou que dados recentes indicam que a economia está em desaceleração.
  • Nesta sexta-feira, a General Electric divulgou lucro acima do esperado no terceiro trimestre, devido à melhora do resultado do seu negócio de indústria pesada A GE afirmou que seu lucro atingiu US$ 2,51 bilhões, ou US$ 0,25 por ação, versus US$ 3,54 bilhões, ou US$ 0,35 por ação no ano passado. A receita caiu 1% para US$ 31,68 bilhões. A GE registrou valorizou 1,5% na negociação antes da abertura do mercado.
  • O grupo varejista francês Carrefour registrou avanço de 2,2% nas vendas do terceiro trimestre, para 21,5 bilhões de euros, na comparação anual. Segundo a companhia, o resultado foi afetado negativamente pelo efeito cambial e de vendas de gasolina. Em mesmas lojas e excluindo o efeito cambial, as vendas da companhia registraram alta de 2,1% no período. Na América Latina, incluindo a operação brasileira, as vendas de julho a setembro recuaram 2,8%, para 3,85 bilhões de euros, na comparação com o mesmo período do ano passado. O efeito cambial do negócio latino-americano foi negativo em 18,5%.
  • O setor de serviços chegou ao quinto mês seguido em que amarga retração. A queda de 3,5% no volume de serviços prestados em agosto indica que o recuo está se acelerando ao longo deste ano, ficando bem acima da queda de 2,6% acumulada desde janeiro, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). No primeiro trimestre o recuo foi inferior a 1,5%, entre abril e junho o tombo foi maior, mas mesmo assim não alcançou 3%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos dois meses seguintes o prejuízo superou esse patamar: em julho o volume de serviços prestados caiu 4,2% e em agosto, 3,5%, sempre em relação ao mesmo mês de 2014.
  • O real desvalorizado frente ao dólar cria oportunidade para exportadores brasileiros no continente africano. Há demanda para setores como vestuário, alimentos, construção civil e oportunidade de investimentos em segmentos como infraestrutura e saúde, entre outros, segundo Rui Mucaje, presidente da Câmara de Comércio Afro¬-brasileira (Afrochamber). Para Mucaje, os olhos dos exportadores brasileiros ainda estão muito voltados à Europa e Ásia, mas há grande interesse em estreitar relações com países africanos. Nesse sentido, diz ele, há vários esforços dos países para conhecer melhor o Brasil e também facilitar o comércio, com medidas como redução do tempo de transporte entre América do Sul e África.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.045,00

-0,14%

S&P 500 Index

2.016,50

-0,12%

Nasdaq Composite Index

4.409,25

-0,06%

Ibovespa

47.049,27

-0,24%

Índices Globais

Japão: Nikkei

18.291,80

1,08%

China: Shanghai

3.551,83

1,59%

Hong Kong: Hang Seng

23.067,37

0,78%

Alemanha: DAX

10.096,77

0,32%

França: CAC 40

4.696,79

0,46%

Londres: FTSE

6.367,80

0,46%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$46,76

0,82%

Ouro ($/oz)

$1.182,30

-0,44%