Bolsa

Comentários sobre o Mercado

04/09/2015

  • Os índices futuros das bolsas dos EUA apontaram para uma abertura nitidamente mais em baixa na sexta-feira à medida que os investidores digeriam a situação do emprego no setor não agrícola - uma das mais significativas divulgações de resultados do verão devido a suas implicações sobre o momento do primeiro aumento da taxa desde 2006.
  • Os pedidos das fábricas alemãs caíram mais do que o esperado em julho, indicando que o crescimento da máquina econômica da zona do euro ainda pode estar instável. Os pedidos, ajustados para variações sazonais e a inflação, caíram 1,4% em comparação a uma previsão de queda de apenas 0,6%.
  • Os partidos de oposição da Câmara nacional unificaram os discursos e decidiram implantar um movimento pró-impeachment a partir da semana que vem. A ideia é lançar campanhas nas redes sociais e contar com o apoio da sociedade para pressionar os demais deputados a aderir à causa. Não é um pedido formal de impeachment ­ os líderes avaliam que esse momento ainda não chegou. Contudo, acreditam que o ambiente político é o ideal para apostar em pressão social. A iniciativa começou a tomar corpo em reunião na manhã desta quinta-­feira (4), da qual participaram PSDB, DEM, PPS, PSC e SD.
  • O Brasil aparece como a economia mais fechada entre os países do G­20, que reúne as maiores economias desenvolvidas e emergentes, segundo um ranking publicado nesta quinta-­feira pela Câmara de Comércio Internacional (CCI, na sigla em inglês). O índice avalia 75 países, numa escala de um a seis, com base em quatro fatores: abertura comercial, política comercial, abertura para investimento direto estrangeiro e infraestrutura para o comércio. O Brasil recebeu 2,3 pontos, ficando na categoria abaixo da considerada de abertura média. Assim, o país aparece na 70ª posição entre 75 nações, a de pior leitura entre os membros do G­20.
  • O governo de Minas Gerais está pagando uma conta alta relacionada aos empréstimos em dólar que fez nos últimos anos. O Estado tem um estoque de US$ 5,9 bilhões indexado ao câmbio. A maior parte desse valor foi contratado entre 2012 e 2013, quando a moeda americana valia menos de R$ 2. Ontem, o câmbio fechou na marca de R$ 3,75. Minas não fez hedge de nenhuma dessas operações e vê o dólar forte pressionar ainda mais o fluxo de pagamentos do Estado, já bastante limitado. Minas aproveitou as autorizações concedidas aos Estados pelo governo federal durante o primeiro mandato do governo Dilma Rousseff (PT) e tomou recursos fora do país ou localmente, mas indexado em moeda estrangeira. Em 2011, Minas Gerais tinha uma dívida indexada ao câmbio de 2,1 bilhões. Na época, isso equivalia a R$ 3,9 bilhões, segundo a secretaria da Fazenda do Estado. Com novos empréstimos, o estoque subiu para os US$ 5,9 bi em 2015, ou mais R$ 22 bilhões, o que significa um quinto da dívida total do Estado, que gira no entorno dos R$ 96 bilhões. No ano passado, o estoque estava em R$ 15,9 bilhões.
  • O número de pedidos de recuperação judicial aumentou 41,6% de janeiro a agosto sobre o mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento da Serasa Experian. Foram 766 requerimentos contra 541. O resultado é recorde para o período desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências, em junho de 2005. As micro e pequenas empresas (MPEs) lideraram os requerimentos de recuperação judicial de janeiro a agosto, com 393 pedidos, seguidas pelas médias (228) e grandes (145). Apenas em agosto, os pedidos somaram 139, aumento de 3% ante os 135 de julho e 114% sobre os 54 de agosto de 2014. As MPEs também ficaram na frente neste caso, com 70 requerimentos, seguidas pela médias empresas, com 54, e as grandes que foram as únicas a registrar queda, passando de 40, em julho, para 15. De acordo com os economistas da Serasa Experian, o aprofundamento da recessão da economia brasileira, a alta do dólar e dos juros prejudicam a solvência das empresas.
  • O juiz Sergio Moro aceitou denúncia contra o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro, e mais 12 pessoas envolvidas em suposto esquema de corrupção na usina de Angra 3 investigado pela Operação LavaJato. É a segunda ação em que Otávio Azevedo se torna réu na Lava­Jato. Além de Othon, sua filha Ana Cristina da Silva Toniolo, o executivo da Andrade Flávio David Barra e o ex-presidente da empreiteira Rogério de Sá também se tornaram réus.
  • A Metalúrgica Gerdau defendeu junto a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que a operação fechada com o BTG Pactual, envolvendo uma opção de venda de ações da Gerdau detida pela BNDESpar, não exige uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) para ações da Gerdau por conta de aumento de participação. A empresa explicou que o contrato estabeleceu que o banco, e não mais a Metalúrgica, seria o responsável por comprar as ações da controlada Gerdau no momento do exercício da opção pela BNDESpar. Portanto, diz, a Metalúrgica não comprou novas ações da controlada Gerdau e a queixa de minoritários levada à CVM afirmando que a controladora estaria obrigada a fazer a OPA por aumento de participação não tem fundamento.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

16.069,00

-1,71%

S&P 500 Index

1.913,25

-1,68%

Nasdaq Composite Index

4.160,75

-1,63%

Ibovespa

46.835,13

-1,12%

Índices Globais

Japão: Nikkei

17.792,16

-2,15%

China: Shanghai

3.311,43

0,00%

Hong Kong: Hang Seng

20.840,61

-0,45%

Alemanha: DAX

10.108,87

-2,03%

França: CAC 40

4.551,15

-2,21%

Londres: FTSE

6.083,15

-1,80%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$46,00

-1,60%

Ouro ($/oz)

$1.123,00

-0,13%