Bolsa

Comentários sobre o Mercado

21/08/2015

  • O índice de referência da China caiu 4,3%, resistindo para ficar acima dos 3,500 nos últimos cinco minutos do pregão
  • O dólar australiano ficou perto do valor mais baixo em seis anos, enquanto um índice de moedas de mercados emergentes sofreu queda recorde. As ações de Hong Kong e Taiwan entraram em desvalorização, as ações da Indonésia estão à beira de uma queda, e as ações de países em desenvolvimento entraram em sua pior semana em três anos.
  • A Deere valorizou US$1,53 por ação por seu terceiro trimestre, 9 centavos acima das estimativas. No entanto, a receita ficou abaixo das previsões e a Deere também reduziu seu guidance. A companhia disse que está sendo impactada por uma retração na economia agrícola e uma menor demanda por equipamentos de construção. As ações caíram 5,4% antes da abertura do mercado.
  • O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi denunciado nesta quinta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, como desdobramento da Operação Lava Jato. Em outra denúncia, o senador Fernando Collor de Mello também foi denunciado. A denúncia - cuja íntegra está disponível no site da PGR -, assinada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa Cunha de ter recebido propina de ao menos US$ 5 milhões, entre junho de 2006 e outubro de 2012, para viabilizar a construção de dois navios sondas da Petrobras. O presidente da Câmara é acusado de lavagem de dinheiro por supostamente ocultar o recebimento dos valores usando contas de empresas offshore e empresas de fachada, assim como doações simuladas a uma igreja. A PGR pediu 184 anos de prisão para o deputado. Além da condenação criminal, o procurador-geral pede a restituição do produto e proveito dos crimes no valor de US$ 40 milhões e a reparação dos danos causados à Petrobras e à administração pública, também totalizando US$ 40 milhões. Janot pede ainda a condenação da ex-deputada federal Solange Almeida por ter participado de suposta pressão pelo pagamento desses valores.
  • A elevação da alíquota da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) de 56 setores de 2% para 4,5% "agravará a situação já crítica pelo qual passa a indústria da construção" e poderá estimular a inflação, na avaliação do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusConSP). "Não dá para entender qual a razão para mais uma elevação de imposto dessa ordem. Vale salientar, que os governos são os próprios contratantes, e, portanto, serão onerados", afirmou, em nota, o presidente do Sinduscon-SP, José Romeu Ferraz Neto. No entendimento do Sinduscon-SP, a mudança da alíquota vai resultar em aumento do custo de produtos e serviços, e os preços das obras precisarão ser reajustados para manter o equilíbrio dos contratos
  • A presidente Dilma Rousseff disse que se preocupa "todo santo dia" com a inflação e o desemprego. Ela conversou com a imprensa depois de se despedir da chanceler alemã, Angela Merkel, após o almoço no Palácio do Itamaraty, em Brasília. Dilma disse que se preocupa com o desemprego porque sabe que o problema "provoca sofrimento nas famílias" e que "tudo o que ela faz" é para impedir que [o desemprego] aumente. Já em relação à inflação, a presidente Dilma disse apenas que está preocupada com a questão, "porque ela corrói o bolso das pessoas". Logo em seguida, Dilma afirmou que em ambos os casos a situação vai melhorar. Cunha A presidente se recusou a comentar a denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fará contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), porque, segundo ela, "a Presidência da República não faz análise a respeito de investigações, de maneira alguma, nem de outros poderes".
  • A Elo anunciou nesta quinta-feira uma parceria com a Discover, bandeira americana de cartões, que vai permitir que a marca brasileira seja aceita em compras feitas no exterior. A Discover está presente em 185 países e em 35 milhões de estabelecimentos. Também é dona da marca Diners, emitida no Brasil pelo Citi. A expectativa do presidente da Elo, Eduardo Chedid, é que os primeiros cartões internacionais da Elo sejam emitidos a partir do primeiro trimestre do ano que vem. A base existente também vai migrar para o produto com aceitação internacional, embora Chedid não dê um cronograma para isso acontecer. "Vamos remunerar a Discover de forma mais variável que fixa, em função do volume de transação", afirmou Chedid. "A aceitação internacional é um passo importante para que a Elo possa competir em igualdade com as outras bandeiras." Segundo ele, a aceitação internacional é fundamental para que a Elo consiga crescer em cartões para públicos de alta renda. Criada por Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, a meta da Elo é atingir 15% de participação no volume de compras em cartão no país até o fim do ano que vem. Atualmente, a participação da companhia neste quesito é próxima de 8%, segundo Chedid.
  • O volume de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês), ofertas públicas de aquisições de ações (OPAs) e reestruturações societárias somou R$ 18,2 bilhões no primeiro semestre do ano, o que representa uma queda de 74% em relação ao observado no mesmo período do ano passado, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira, 20, pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A entidade destaca que esse é o menor volume para um primeiro semestre nos últimos seis anos.
  • A Odebrecht Ambiental, empresa de saneamento do grupo, deu seu primeiro passo na internacionalização: vai iniciar operação no México. A companhia venceu uma concessão plena (de água e esgoto) para atender duas cidades no estado de Vera Cruz, com contrato de 30 anos e investimento previsto de US$ 730 milhões. A operação vai atender a cidade que leva o mesmo nome do Estado, com 600 mil habitantes, e Medellin, com 100 mil. O anúncio deve ser feito hoje, com a presença dos prefeitos das duas cidades. Trata-se do primeiro contrato de concessão da empresa no exterior, disse ao Valor PRO - serviço de informações em tempo real do Valor - o diretor da área de internacional da companhia, Miguel Peres.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

16.830,00

-0,51%

S&P 500 Index

2.018,50

-0,35%

Nasdaq Composite Index

4.341,50

-0,57%

Ibovespa

45.868,14

-1,67%

Índices Globais

Japão: Nikkei

19.435,83

-2,98%

China: Shanghai

3.674,72

-4,27%

Hong Kong: Hang Seng

22.409,62

-1,53%

Alemanha: DAX

10.297,70

-1,29%

França: CAC 40

4.717,55

-1,38%

Londres: FTSE

6.276,89

-1,43%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$40,98

-0,82%

Ouro ($/oz)

$1.157,30

0,36%