Bolsa

Comentários sobre o Mercado

31/07/2015

  • No segundo trimestre, a renda e os salários nos EUA subiram com o menor ritmo já registrado, contrariando as projeções de que uma melhora no mercado de trabalho aumentaria os rendimentos dos trabalhadores.
  • A estimativa de inflação publicada esta manhã pela Eurostat, a agência estatística europeia, mostrou que a inflação na zona do euro permaneceu estável em 0,2% em julho, em linha com a mediana das estimativas dos economistas pesquisados pelas Bloomberg. A inflação subjacente surpreendeu ao atingir 1%, a taxa mais alta em 15 meses.
  • O índice Shanghai Composite caiu 1,1% na sexta-feira, registrando seu pior desempenho mensal desde agosto de 2009. Esse índice sofreu queda de 14%, a maior perda entre os 93 índices de referência globais.
  • A Chevron Corp. registrou seu lucro mais baixo em mais de uma década após a queda nos preços de energia terem forçado a companhia a diminuir o valor dos seus campos de gás natural e petróleo. O lucro líquido registrado no segundo trimestre caiu para US$ 571 milhões, ou 30 centavos de dólar por ação, comparado a US$ 5.67 bilhões ou US$ 2.98, respectivamente, no mesmo período do ano passado. Excluindo itens não recorrentes, o resultado por ação ficou bem abaixo da média da expectativa dos analistas de US$ 1,16. As ações da Chevron Corp. tiveram desvalorização de 1,9%.
  • Num cenário de forte frustração de receitas e pressão por gastos, a tarefa da equipe econômica brasileira de chegar a um superávit para o governo central de R$ 5,8 bilhões (ou 0,1% do PIB) está cada vez mais complicada. No primeiro semestre, o governo central registrou déficit primário de R$ 1,597 bilhão (ou 0,06% do PIB) em valores nominais, ou R$ 1,231 bilhão em termos reais (corrigido pelo IPCA). É a primeira vez que o país apresenta déficit primário para o acumulado de janeiro a junho. Considerando só junho, o governo central teve resultado negativo de R$ 8,205 bilhões ¬ o pior para meses de junho em toda a série iniciada em 1997.
  • Produtores brasileiros de laminados planos de aço, como Usiminas e CSN, estão entre os alvos de uma verdadeira ofensiva da indústria siderúrgica americana para barrar seus concorrentes estrangeiros. Um grupo de cinco grandes empresas dos Estados Unidos enviou ao Departamento de Comércio, na terça¬feira, pedido de abertura de investigações para o estabelecimento de direitos antidumping e medidas compensatórias contra fornecedores de outros países. As ações podem resultar na aplicação de uma sobretaxa de até 59% sobre os laminados brasileiros, inviabilizando a entrada no mercado americano. China, Japão, Coreia, Índia, Rússia, Holanda e Reino Unido também estão na mira.
  • Uma reunião envolvendo seis bancos, realizada ontem em São Paulo, deu a largada nos preparativos para a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da BR Distribuidora, subsidiária de distribuição de combustíveis da Petrobras.
  • A Vale guardou para o dia da divulgação do seu balanço do segundo trimestre a confirmação de mais dois passos do seu programa de venda de ativos iniciado em 2011. A companhia anunciou ontem a venda, por R$ 4 bilhões, de uma fatia minoritária da Minerações Brasileiras Reunidas (MBR) e a conclusão da alienação de quatro navios do tipo Very Large Ore Carriers (VLOCs) para a China Merchants Energy Shipping por US$ 448 milhões. O anúncio dos dois negócios levou o presidente da Vale, Murilo Ferreira, a afirmar, durante teleconferência, que o programa de venda de ativos da companhia está "muito perto da conclusão", embora ainda haja algumas operações no radar, como a venda de participações na Mineração Rio do Norte (MRN), que produz bauxita na região Norte do país, e na MRS Logística.
  • Os resultados mais fracos do segmento de defesa e segurança puxaram para baixo os números da fabricante de jatos Embraer no segundo trimestre e decepcionaram o mercado. As ações da companhia caíram 6% ontem e lideraram as baixas do Ibovespa, principal índice da bolsa.
  • A Raia Drogasil adquiriu, por R$ 24 milhões, o controle da empresa de varejo de medicamentos de especialidade, 4¬ Bio, do empresário André Kina. A operação envolveu a compra de 55% da empresa, com opção de adquirir os outros 45% a partir de janeiro de 2021. A 4¬Bio é a segunda maior empresa deste segmento, (atrás da Oncoprod) segundo ranking da IMS, e buscava compradores desde o fim de 2014.
  • A Vivendi antecipou sua saída do Brasil. A companhia francesa de mídia e entretenimento tinha quatro anos para alienar as ações da Telefônica Brasil que recebeu como parte da venda da GVT. Nas negociações após o fechamento da Bolsa de Nova York (Nyse), a Vivendi vendeu 4% da Telefônica Brasil numa só tacada. Trata-¬se da maior venda de bloco de papéis de uma companhia brasileira já realizada na história: quase R$ 3 bilhões. A operação foi realizada pelo Bank of America (BofA) Merrill Lynch. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) havia concedido até o início de 2019 para que a Vivendi reduzisse, aos poucos, a participação na Telefônica Brasil ¬ fatia resultante da venda da GVT ao grupo Telefonica, por cerca de R$ 25 bilhões.
  • Favorecida principalmente pelo desempenho das operações internacionais, a BRF fechou o segundo trimestre com um lucro líquido de R$ 354,4 milhões (atribuído aos sócios da empresa controladora), um aumento de 32% na comparação com o resultado de R$ 267 milhões reportados pela companhia em igual intervalo do ano passado. Em teleconferência com jornalistas, o vice¬-presidente de finanças e relações com investidores da empresa, Augusto Ribeiro Junior, destacou o desempenho no Oriente Médio, já refletindo as aquisições feitas pela BRF na área de distribuição. Além disso, o dólar mais valorizado ante o real em relação ao segundo trimestre de 2014 também favoreceu o resultado da empresa.
  • Os resultados do segundo trimestre do Bradesco mostraram que o banco foi capaz de resistir, pelo menos por ora, a uma combinação que em outros tempos poderia ser difícil para o balanço: retração da economia, desaceleração do crédito e piora dos índices de inadimplência. O segundo maior banco privado do país teve um lucro líquido de R$ 4,47 bilhões no trimestre, com avanço de 18,4% ante igual período de 2014. A melhora da margem financeira do Bradesco, graças ao encarecimento das operações de crédito, em conjunto com controle de custos e o desempenho da unidade de seguros explicam a resistência ao cenário adverso. O retorno sobre patrimônio (ROE) da instituição foi de 20,9%.
  • O segundo trimestre de 2015 foi bom para a SulAmérica. Não apenas porque a seguradora conseguiu mais que dobrar seu lucro líquido em relação ao mesmo período do ano passado, mas também porque conseguiu obter resultados efetivos nas operações com seguros. Os ganhos somaram R$ 123,5 milhões no segundo trimestre deste ano ante R$ 53,6 milhões no mesmo período do ano passado, o que indica alta de 130,4%. Com isso, no semestre, o lucro chegou a R$ 224,9 milhões. Ao mesmo tempo, o índice combinado ¬ combinação entre sinistros, comercialização e despesas administrativas ¬ baixou para 99,8%. Abaixo de 100%, significa que a companhia realmente teve lucro com o negócio.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.686,00

0,00%

S&P 500 Index

2.107,00

0,15%

Nasdaq Composite Index

4.608,00

0,28%

Ibovespa

50.645,74

1,50%

Índices Globais

Japão: Nikkei

20.585,24

0,30%

China: Shanghai

3.838,07

-1,13%

Hong Kong: Hang Seng

24.636,28

0,56%

Alemanha: DAX

11.262,43

0,05%

França: CAC 40

5.062,05

0,31%

Londres: FTSE

6.675,94

0,11%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$47,82

-1,44%

Ouro ($/oz)

$1.089,00

0,06%