Bolsa

Comentários sobre o Mercado

28/07/2015

  • As ações do mercado americano estavam posicionadas para abrir em alta na terça-feira, recuperando algumas das perdas de dias anteriores, antes do início da reunião de dois dias do Federal Reserve, e da publicação dos resultados de empresas e dados econômicos.
  • A China permaneceu em foco, com o mercado de ações de referência de Shanghai fechando em baixa de 1,7% depois de outra sessão volátil que registrou uma queda das ações de até 5%. O regulador de valores mobiliários da China declarou na terça-feira que havia iniciado uma investigação sobre a onda de vendas da segunda-feira, quando as ações caíram mais de 8%.
  • A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 204 milhões na quarta semana de julho, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). Com o resultado, o saldo das trocas comerciais ficou positivo em US$ 1,861 bilhão no mês e em US$ 4,082 bilhões no ano. As exportações nas quatro semanas de julho, comparadas ao mesmo mês de 2014, caíram 18,7% pelo conceito de média diária.
  • O governo e as associações que representam geradoras de energia avançaram na costura final de um acordo sobre o rombo bilionário causado pelo déficit de produção das usinas hidrelétricas. Para celebrar um acordo, o Ministério de Minas e Energia propõe uma solução definitiva às perdas das geradoras, mas quer que elas desistam ¬ sem nenhuma exceção ¬ das ações judiciais que têm provocado uma avalanche de liminares nas últimas semanas. Sem isso, o governo vê risco de um colapso na próxima liquidação financeira da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que deveria ocorrer nos dias 5 e 6 de agosto.
  • A construção da fábrica da Jaguar Land Rover (JLR) no sul do Rio de Janeiro chegou à reta final e, após erguer os principais prédios, a montadora começa agora a instalar os equipamentos no local, onde são investidos R$ 750 milhões. A expectativa é inaugurar o empreendimento no primeiro trimestre de 2016, mas, antes disso, os testes de produção, quando são montados protótipos dos veículos, devem ser iniciados até o fim deste ano. Em paralelo às obras de sua primeira fábrica nas Américas e a única fora do Reino Unido 100% controlada pelo grupo ¬ já que na Índia e na China os carros da marca são produzidos em parceria com a Tata, de seu grupo controlador, e a Chery ¬, a Jaguar Land Rover se prepara para ter uma estrutura maior no país.
  • A Souza Cruz registrou, de janeiro a junho deste ano, a primeira queda de lucro para o período em mais de 10 anos. A redução na última linha dos resultados foi de 2%, para R$ 831 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) caiu 7% para R$ 1,24 bilhão. A receita líquida cresceu 5,2%, para R$ 3,059 bilhões. Ficou positiva pela alta de 27,7% nas exportações de tabaco. Já a receita com a venda de cigarros, que responde por 68,5% do total, caiu 4,4% e alcançou R$ 2,098 bilhões. Por unidades, as vendas de cigarros caíram 9,2% no período.
  • Num movimento para usar melhor suas marcas, e ajudar a recuperar resultados, a Via Varejo, controlada pelo Grupo Pão de Açúcar, decidiu transformar 30 lojas da rede Ponto Frio em pontos da Casas Bahia. O número equivale a 8% da base do Ponto Frio, com cerca de 360 lojas. Os ajustes ocorrem em período de desempenho fraco. Via Varejo registrou prejuízo de R$ 13 milhões de abril a junho. No mesmo período de 2014 houve lucro líquido de R$ 187 milhões, segundo dados publicados ontem.
  • A Hypermarcas está em um novo processo de ajuste de preços, em razão do câmbio. O objetivo é repassar os aumentos de custos considerando o dólar a R$ 3,10. Uma nova tabela começa a ser praticada neste mês em algumas categorias da divisão de consumo, disse o presidente Claudio Bergamo.
  • O setor de papel e celulose foi alvo de revisões. O Morgan Stanley melhorou a recomendação para os recibos de ações da Fibria para neutra e passou o preço¬-alvo dos ADRs de US$ 13,50 para US$ 14,70. O BB Investimentos também subiu o preço¬-alvo para as ações, de R$ 44 para R$ 47, mantendo a recomendação "out perform", o equivalente à compra. No caso de Klabin, o BB cortou a indicação para "market perform" (desempenho neutro), mantendo o preço¬-alvo em R$ 20. De acordo com relatório do Morgan Stanley, a elevação de Fibria, feita após os resultados do segundo trimestre, é resultado da nova relação entre risco e retorno, da provável influência positiva do dólar para a companhia em um cenário de deterioração macroeconômica no Brasil e do menor declínio do preço da celulose no segundo trimestre do que estimado anteriormente.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.439,00

0,25%

S&P 500 Index

2.071,75

0,35%

Nasdaq Composite Index

4.533,00

0,23%

Ibovespa

49.361,44

1,28%

Índices Globais

Japão: Nikkei

20.328,89

-0,10%

China: Shanghai

3.836,99

-1,70%

Hong Kong: Hang Seng

24.503,94

0,62%

Alemanha: DAX

11.202,19

1,32%

França: CAC 40

4.982,06

1,11%

Londres: FTSE

6.552,61

0,73%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$47,28

-0,23%

Ouro ($/oz)

$1.094,80

-0,15%