Bolsa

Comentários sobre o Mercado

02/07/2015

  • Os índices de futuros norte-americanos subiram um pouco mais na quinta-feira, enquanto os investidores digeriam o relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano Non-farm Payrolls em meio à preocupação com a Grécia.
  • As negociações entre a Grécia e os seus credores internacionais foram adiadas até depois do referendo de domingo, quando a população irá decidir se concorda com as condições do pacote de ajuda.
  • O mercado de ações chinês continua em baixa, fechando com queda de 3,5%, pois o relaxamento das regras sobre o uso de dinheiro captado para investir no mercado de ações não conseguiu melhorar a confiança do investidor que caiu nas últimas semanas.
  • A GE está no centro das atenções novamente, após o Departamento de Justiça ter entrado com um processo para bloquear a venda da sua unidade de eletrodomésticos para a empresa sueca Electrolux.
  • A produção no Brasil de petróleo cresceu em maio pela primeira vez no ano. De acordo com dados divulgados ontem pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram produzidos no mês retrasado, ao todo, 2,412 milhões de barris diários de óleo, o que representa alta de 0,7% frente a abril e de 10,2% na comparação com maio de 2014.
  • A retração da demanda das famílias brasileiras levou setores industriais, que até pouco tempo atrás pareciam imunes à desaceleração da economia, a recuarem com força neste ano. De janeiro a abril, a produção de bens de consumo semi-duráveis e não duráveis encolheu 6,8% em relação ao mesmo período de 2014, pior quadrimestre para essa categoria econômica desde o início da série histórica da Pesquisa Industrial Mensal ­ Produção Física do IBGE, em 2003. Estão em queda não apenas segmentos que já vinham em trajetória negativa, mas também indústrias que produzem itens de primeira necessidade farmacêutica, alimentos, bebidas, produtos de limpeza e higiene pessoal.
  • O aumento de capital da Sete Brasil será uma das últimas etapas da reestruturação da companhia. Neste ano, a capitalização deve ficar entre US$ 700 milhões e US$ 800 milhões. A Sete Brasil e o BTG Pactual, um dos principais acionistas, ao lado de Bradesco e Santander, estão com diversas frentes de negociação em andamento, a maioria na Ásia. Há grupos na China, Japão, Malásia e Cingapura. A norueguesa Seadrill está entre as interessadas, mas neste momento não é a que está com o processo em discussão mais avançado. Entre os potenciais novos investidores há financeiros e estratégicos. O formato da operação pode variar conforme o sócio, seguindo o interesse de cada um dos novos investidores.
  • O investidor Douglas W. Peters, representado pelo escritório de advocacia Scott+Scott, Attorneys at Law, entrou ontem com uma ação coletiva contra a Braskem no tribunal sul de Nova York, o mesmo em que a Petrobras está sendo processada por acionistas minoritários americanos. A ação acusa a petroquímica brasileira de violar as leis do mercado de capitais dos Estados Unidos, por ter supostamente divulgado informações e comunicados falsos sobre negócios, dados operacionais e políticas de governança.
  • A farmacêutica americana Abbott vai investir R$ 20 milhões para implantar um Centro de Desenvolvimento Farmacêutico no Brasil, o primeiro da companhia no país e o quarto na América Latina, considerando­-se outros três centros que foram incorporados após a compra da CFR Pharmaceuticals. As obras terão início em agosto e o investimento, que possibilitará à Abbott desenvolver produtos adaptados à população brasileira, será feito na unidade industrial de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ).
  • A Ser Educacional fechou financiamento de R$ 120 milhões com a IFC (International Finance Corporation), braço do Banco Mundial, para expansão e recomposição do caixa devido aos atrasos de pagamento do Fies, financiamento estudantil do governo. A maior parte dos recursos será destinada à construção de novos campus da Faculdade Maurício de Nassau, em Aracaju e Fortaleza, além de reforma e modernização das unidades existentes em outros Estados.
  • A varejista de moda Renner espera para a economia um segundo semestre mais difícil que a primeira metade do ano. Os efeitos da deterioração do cenário econômico vão se refletir em alguns indicadores da companhia, como o nível de inadimplência. A empresa, no entanto, disse estar preparada para enfrentar o momento e vai manter o plano de expansão.
  • Menos de duas semanas depois de anunciar a aquisição da Moy Park, na Irlanda, por US$ 1,5 bilhão, a JBS informou ontem que firmou, por meio de sua controlada indireta, Swift Pork Company, um contrato de compra das operações de suínos da Cargill (Cargill Pork) nos Estados Unidos. O valor do negócio foi fixado em US$ 1,45 bilhão, livre de dívidas, mas o montante pode ser ajustado no fechamento da operação, pela variação do capital de giro líquido e dos passivos de longo prazo da Cargill Pork. De acordo com o comunicado da JBS, a aquisição deverá ser paga à vista e em dinheiro no fechamento da operação.
  • Evan Greenberg acaba de promover um "upgrade" na área de fusões e aquisições. O principal executivo da seguradora Ace anunciou ter fechado um acordo de US$ 28 bilhões em dinheiro e ações pela concorrente Chubb.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.718,00

0,27%

S&P 500 Index

2.076,75

0,28%

Nasdaq Composite Index

4.436,50

0,33%

Ibovespa

52.757,53

0,61%

Índices Globais

apão: Nikkei

20.522,50

0,95%

China: Shanghai

4.098,08

-3,48%

Hong Kong: Hang Seng

26.282,32

0,12%

Alemanha: DAX

11.174,36

-0,05%

França: CAC 40

4.872,42

-0,22%

Londres: FTSE

6.626,84

0,28%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$57,18

0,39%

Ouro ($/oz)

$1.161,00

-0,71%