Bolsa

Comentários sobre o Mercado

26/05/2015

  • Na terça-feira, os índices de futuros das bolsas dos EUA apontaram para uma abertura caminhando de estável para em depreciação, em antecipação a um dia agitado de divulgações de informações, logo após o final de semana do Memorial Day.
  • Os investidores vão prestar muita atenção aos dados para avaliar os indicadores e perceber quando o Federal Reserve tende a começar a aumentar as taxas de juros. Na sexta-feira, a presidente do Fed, Janet Yellen, sugeriu que uma alta seria adequada este ano caso a economia melhore. Ela comentou que a desaceleração do primeiro trimestre foi em grande parte transitória, mas que levaria vários anos para que os índices retornassem ao normal.
  • Os índices futuros norte-americanos ficaram mais baixos após o relatório. Os rendimentos dos títulos de 2 anos do Tesouro subiram para 0,64%. O euro sofreu uma ligeira variação para menos de US$1,09 à medida que o dólar americano continuou a ganhar força.
  • Para dissipar as notícias de divergências na equipe econômica em uma semana decisiva para o ajuste fiscal no Congresso e acalmar o mercado financeiro, o Palácio do Planalto escalou ontem o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para uma entrevista após reunião da coordenação política com a presidente Dilma Rousseff e reafirmou seu papel de fiador do reequilíbrio das contas do governo. Levy disse que o corte de R$ 69,9 bilhões veio no valor "adequado", mas fez também um alerta sobre a queda nas receitas deste ano. "A arrecadação não tem atendido às necessidades do governo. A arrecadação tem sobrevivido de receitas extraordinárias, como o Refis", afirmou Levy ao chegar à Fazenda, no começo da manhã.
  • Presidentes das duas maiores economias latino-americanas, Dilma Rousseff e Enrique Peña Nieto assinam nesta terça-feira, 26, um acordo de cooperação e facilitação de investimentos para reduzir riscos, elevar a previsibilidade e prevenir conflitos nos negócios entre o Brasil e o México. Terceiro tratado do tipo firmado pelo governo brasileiro e o primeiro com um país da região, o documento sinaliza uma mudança na postura internacional do governo, na direção de maior abertura ao comércio exterior, segundo o Itamaraty.
  • Apesar da apreciação do real em relação ao dólar nas últimas semanas, o câmbio continua a compensar, para os produtores de soja do Brasil, a queda das cotações internacionais do grão. Mesmo que insumos importados como fertilizantes e defensivos também fiquem mais caros, o movimento fortalece estimativas que indicam uma nova expansão da produção do país na safra que começará a ser semeada em meados de setembro (2015/16).
  • Os donos da rede Outback trarão uma nova cadeia ao Brasil, a Fleming‘s, focada no segmento de carnes e vinhos, por meio de parceria com sócios majoritários brasileiros, segundo o comando informou para analistas dias atrás. Ao abrir mão do controle da operação no país, o grupo reduz a necessidade de capital para investimentos. A primeira unidade da Fleming‘s deve ser inaugurada no primeiro trimestre de 2016, com projeto que envolve a abertura de 10 a 15 unidades por ano até 2020.
  • Os cortes no Orçamento Federal anunciados na sexta-feira devem ter um impacto profundo em um setor que já atravessa um momento difícil: a construção civil. Segundo empresários, a redução no volume disponível de recursos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e para o programa Minha Casa, Minha Vida deve levar à paralisação de obras e aumentar as demissões no setor, que já estão em nível muito alto. No total, os dois programas - considerados as principais bandeiras do governo Dilma Rousseff - terão redução de quase R$ 33 bilhões no orçamento. O volume representa quase metade de todo o corte orçamentário, de R$ 69,9 bilhões.

Índices

Nome

Atual

% Variação

Dow Jones Industrial Average

18.178,00

-0,25%

S&P 500 Index

2.117,50

-0,33%

Nasdaq Composite Index

4.510,75

-0,40%

Ibovespa

53.878,60

-1,34%

Índices Globais

Japão: Nikkei

20.437,48

0,12%

China: Shanghai

5.143,05

2,02%

Hong Kong: Hang Seng

28.249,86

0,92%

Alemanha: DAX

11.698,94

-0,98%

França: CAC 40

5.126,18

0,18%

Londres: FTSE

7.009,58

-0,31%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$58,90

-1,37%

Ouro ($/oz)

$1.186,20

-1,48%