Bolsa

Comentários sobre o Mercado

15/05/2015

  • Os índices de futuros norte-americanos sofreram ligeiro aumento na sexta-feira, elevando o índice S&P 500 a um nível recorde, enquanto os participantes aguardam relatórios sobre a produção industrial e confiança do consumidor. O pregão de sexta-feira pode apresentar mais volatilidade, em razão do vencimento das opções de maio.
  • Com relação aos dados econômicos publicados antes da abertura do mercado, o índice Empire Manufacturing ficou 3,09 abaixo da expectativa de 5, mas acima do número negativo registrado no mês passado.
  • O dólar registrou uma ligeira recuperação na sexta-feira, mas ainda próximo dos níveis baixos registrados recentemente, após o euro ter superado US$1,14 pela primeira vez desde fevereiro na quinta-feira. O dólar está caminhando em direção à mais longa queda semanal desde outubro de 2013 com a sua quinta semana de desvalorização. Sua queda ontem alavancou os ganhos de empresas multinacionais americanas, ajudando o S&P 500 a recuperar as perdas do início da semana e fechar a semana em alta. Os mercados de obrigações também estão se recuperando após um movimento intenso de vendas.
  • Com relação a notícias corporativas, a Netflix Inc. está negociando com companhias de comunicação online chinesas a possibilidade de levar o seu conteúdo àquele país, de acordo com o The Wall Street Journal. Suas ações subiram 3,6%.
  • A mudança no fator previdenciário nacional vai gerar um acréscimo anual de 0,6% a 1,1% do PIB nas despesas da Previdência Social, segundo estimativas de economistas. Fábio Giambiagi, especialista em contas públicas, disse que a aprovação da fórmula 85/95 em substituição ao fator é uma "contrarreforma", um "ato irresponsável", combinação de "brutal incompetência política do governo com irresponsabilidade da oposição". Na nova regra, um trabalhador se aposenta pelo teto do INSS se, ao somar idade e tempo de contribuição, chegar a 85 anos no caso das mulheres e a 95 para os homens. A presidente Dilma Rousseff deve vetar a medida, que ainda será votada no Senado. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, prometeu derrubar o veto.
  • A Sete Brasil já encontrou solução para obter R$ 25 bilhões em financiamento, segundo fonte ligada à reestruturação financeira da empresa. Os recursos permitem a construção de 19 sondas. As tratativas para esses créditos estão avançadas e incluem recursos de instituições nacionais. Além disso, na semana passada, a companhia avançou em conversas com bancos chineses para obter mais R$ 6 bilhões que podem permitir a manutenção da construção de sete sondas pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS). O plano de reestruturação da Sete Brasil foi aprovado ontem pelos acionistas e será apresentado hoje aos credores.
  • Com o intuito de ampliar margens e repassar a alta dos custos com energia elétrica e o impacto do dólar mais valorizado sobre o preço dos grãos usados na ração animal, a JBS Foods, dona da marca Seara, informou ontem que vai aumentar o preço dos produtos processados vendidos no mercado interno de 8% a 12% até julho.
  • A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) tem interesse em aumentar sua participação no bloco BM¬S¬8, no pré¬-sal da Bacia de Santos. O presidente da companhia, Lincoln Rumenos Guardado, disse ontem que a área onde está localizada a descoberta de Carcará é estratégica para a empresa e que pretende olhar com "carinho" um eventual interesse da Petrobras em vender sua fatia no bloco.

Índices

Nome

Atual

% Variação

Dow Jones Industrial Average

18.220,00

0,10%

S&P 500 Index

2.119,75

0,11%

Nasdaq Composite Index

4.500,25

0,22%

Ibovespa

56.773,91

0,21%

Índices Globais

Japão: Nikkei

19.732,92

0,83%

China: Shanghai

4.512,17

-1,62%

Hong Kong: Hang Seng

27.822,28

1,96%

Alemanha: DAX

11.549,60

-0,09%

França: CAC 40

5.036,50

0,14%

Londres: FTSE

6.975,41

0,03%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$59,53

-0,58%

Ouro ($/oz)

$1.215,50

-0,79%