Bolsa

Comentários sobre o Mercado

07/05/2015

  • Os índices futuros nos EUA indicam uma abertura em queda nesta quinta-feira, com os investidores na expectativa da divulgação de dados nos EUA e maior rentabilidade dos títulos de dívida.
  • Os pedidos iniciais de seguro-desemprego aumentaram 3.000 para um valor sazonalmente ajustado de 265.000 na semana encerrada em 2 de maio, afirma o Ministério do Trabalho dos EUA nesta quinta-feira.
  • As ações europeias registraram queda nesta manhã e os yields dos títulos do governo continuam subindo. O yield dos títulos de 10 anos do governo alemão subiram 20 pontos-base, próximo de 0,8% e perto de atingir a maior alta da semana em uma década, segundo a Reuters. Os títulos de 10 anos do Tesouro norte-americano também ficaram próximos de 2,3% antes de registrarem cerca de 2,22%.
  • Com relação aos resultados das empresas, a Alibaba registrou 48 centavos de dólar por ação ajustados no primeiro trimestre de 2015, seis centavos acima das estimativas e a receita também superou as expectativas do mercado.
  • A Transocean quase dobrou a estimativa de consenso dos analistas de 60 centavos de dólar por ação, com lucro trimestral ajustado de US$1,10 por ação. A receita também superou as estimativas.
  • Convidado a avaliar os ativos do HSBC no Brasil, assim como outras instituições financeiras, o BTG Pactual pode ter interesse na unidade do banco britânico. Com a aquisição, o BTG dobraria de tamanho em ativos, passando da oitava para a sétima posição no ranking do Banco Central. O interesse do banco de André Esteves vai ao encontro de uma tese defendida por alguns sobre a venda do HSBC, segundo a qual o BC deveria barrar a aquisição por um grande banco, sob o argumento de que a concentração bancária se ampliaria ainda mais e a competição se reduziria.
  • O governo brasileiro pensa em reduzir, para 15%, a participação acionária da Infraero nas próximas concessões de aeroportos. Esse percentual garante voz ativa à estatal nos conselhos de administração das futuras concessionárias e alivia, em um momento de restrições fiscais, o peso dos aportes que ela precisará fazer para dividir os investimentos com a iniciativa privada
  • Diante do baixo crescimento do consumo mundial de aço, estimado em 0,5% em 2015 pela Worldsteel, da forte retração das vendas no Brasil e da manutenção do excesso de capacidade instalada global do setor, a Gerdau iniciou 2015 segurando investimentos. Os aportes no primeiro trimestre caíram 9,5% ante igual período de 2014, para R$ 612 milhões, e 1,5% acima da depreciação dos ativos de janeiro a março. A queda está em linha com o plano de limitar investimentos a R$ 1,9 bilhão no ano, ante R$ 2,3 bilhões de 2014. Ontem, André Gerdau Johannpeter, presidente, disse que o grupo tem ainda uma "preocupação muito grande": o aumento das importações de aço nos países da América Latina onde opera, sobretudo da China. As importações na região subiram 32% no trimestre comprado com 2014, para 4,4 milhões de toneladas, enquanto no Brasil houve queda na área de longos, disse o executivo.
  • O governo federal enviou ao Congresso o Projeto de Lei 863/2015 que visa alterar as regras da desoneração da folha de salários. Pelo projeto, as empresas poderão escolher entre a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha ou a contribuição sobre a receita bruta, cujas alíquotas serão aumentadas de 1% e 2% para 2,5% e 4,5%.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.746,00

-0,18%

S&P 500 Index

2.071,76

-0,12%

Nasdaq Composite Index

4.364,25

-0,20%

Ibovespa

56.730,71

-0,65%

Índices Globais

Japão: Nikkei

19.291,99

-1,23%

China: Shanghai

4.308,05

-2,77%

Hong Kong: Hang Seng

27.289,97

-1,27%

Alemanha: DAX

11.401,57

0,45%

França: CAC 40

4.972,52

-0,18%

Londres: FTSE

6.892,58

-0,59%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

US$61,00

0,11%

Ouro ($/oz)

US$1.184,10

-0,52%