Bolsa

Comentários sobre o Mercado

29/04/2015

  • Os índices de futuros das bolsas dos EUA caíram na quarta-feira após a publicação de números decepcionantes sobre o crescimento econômico nos EUA e enquanto os investidores aguardavam a declaração do Fed sobre a política monetária.
  • Os índices de futuros das bolsas foram prejudicados pela publicação pelo Departamento de Comércio de um relatório que revela o crescimento decepcionante do PIB dos EUA, de 0,2% no primeiro trimestre. Esse número ficou abaixo das expectativas e esse é o relatório mais recente a sugerir uma tendência de queda na economia americana. Os economistas consultados pelo The Wall Street Journal esperam que o PIB aumente 1%. O crescimento fechou o quarto trimestre em 2,2%.
  • O comitê de políticas do Fed irá encerrar sua reunião de dois dias esta tarde. O Banco Central deve divulgar sua declaração sobre a política monetária às 14h.
    Os investidores irão se debruçar sobre a linguagem do Fed em busca de pistas sobre o ritmo dos aumentos nas taxas de juros - aguardados para os próximos meses.
  • As ações da Northrop Grumman Corp. aumentaram 2,1% após a empresa do setor de defesa ter anunciado que seu lucro do primeiro trimestre caiu 19%, mas seus resultados ficaram acima das expectativas.
  • O ex­-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva classificou como retrocesso o projeto de lei que regulamenta e amplia a terceirização, em debate no Congresso. Ao discursar para uma plateia de sindicalistas ontem, Lula disse que é preciso barrar a proposta, que prejudicará os trabalhadores. "Estamos voltando a 1930, tentando estabelecer relação de trabalho onde só tem um ganhador que é o patrão", afirmou Lula.
  • O Senado aprovou, na noite de ontem, o projeto de lei complementar que regulamenta a mudança do indexador dos contratos de refinanciamento das dívidas celebradas entre a União, os Estados e os municípios. Por 52 votos a favor e 18 contra, os senadores mantiveram acordo feito por lideranças da Casa com o ministro Joaquim Levy (Fazenda) para que o novo indexador possa ser adotado após 1º de fevereiro de 2016.
  • A despeito das dificuldades enfrentadas no Brasil e em países importadores dependentes das receitas do petróleo, a desvalorização do real perante o dólar impulsionou o resultado da BRF no primeiro trimestre. No período, a empresa de alimentos teve um lucro líquido de R$ 462 milhões, alta de 42,8% na comparação com o lucro de R$ 323 milhões reportados no mesmo intervalo do ano passado. Entre janeiro a março, a receita líquida da BRF totalizou R$ 7,048 bilhões, crescimento de 5,1% ante os R$ 6,707 bilhões de igual período de 2014. O aumento da receita com as vendas reflete a alta de 13,3% do preço médio em real dos produtos vendidos.
  • Os juros reais no Brasil já voltaram ao nível mais elevado em sete anos. O Copom, reunido ontem e hoje, independentemente de optar por repetir o passo de meio ponto de alta ou 0,25 pontos percentuais, levará a Selic dos 12,75% para o maior patamar desde dezembro de 2008, quando estava em 13,75%. O custo do dinheiro em termos reais em 7% revela os limites do Banco Central no manejo (sensato) da política monetária. O comando do BC reforça há semanas, com clareza crescente, o objetivo de promover a convergência da inflação para o centro da meta, de 4,5%, em dezembro de 2016.
  • O governo brasileiro escolheu uma plateia de investidores estrangeiros para lançar oficialmente, na próxima semana, a 13ª rodada de concessões de petróleo e gás. O anúncio será feito pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, em uma conferência internacional sobre exploração offshore em Houston (Estados Unidos). Paralelamente, um ato formal da presidente Dilma Rousseff dará aval à licitação, que já foi aprovada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). A expectativa oficial é arrecadar entre R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões em bônus de assinatura.
  • O Bradesco teve lucro líquido contábil de R$ 4,244 bilhões no primeiro trimestre, o que representa alta de 23,3% sobre o mesmo período do ano passado. O lucro ajustado, que exclui itens não recorrentes, aumentou 23,1% e alcançou R$ 4,274 bilhões, em linha com a previsão de analistas.

Índices

Nome

Atual

%Variação

Dow Jones Industrial Average

17.910,00

-0,82%

S&P 500 Index

2.096,25

-0,75%

Nasdaq Composite Index

4.483,75

-0,71%

Ibovespa

55.322,71

-0,88%

Índices Globais

Japão: Nikkei

20.058,95

0,00%

China: Shangha

4.690,78

0,00%

Hong Kong: Hang Seng

28.400,34

-0,15%

Alemanha: DAX

11.651,68

-1.35%

França: CAC 40

5.111,71

-1,19%

Londres: FTSE

6.986,72

-0,62%

Commodities

Petróleo Bruto WTI (NYM $/bbl)

$57,00

-0,11%

Ouro ($/oz)

$1.211,40

-0,21%

*Valores de abertura do pregão.