Brasil

Pessoas físicas e empresas buscam a renegociação da dívida com credores

29/09/2015

Feirão Limpa Nome para pessoas jurídicas começa hoje e pode atrair mais de 100 mil empresas que estão com suas contas atrasadas a buscarem acordos e parcelamentos junto às instituições

O número de pessoas físicas inadimplentes que estão buscando limpar o nome na praça bateu recorde nesses primeiros nove meses de 2015. Segundo a Serasa Experian, 11,3 milhões de pessoas físicas querem renegociar suas dívidas junto aos seus credores.
Hoje também começa outra edição do Feirão Limpa Nome OnLine da Serasa Experian para pessoas jurídicas, e a expectativa é atender mais de 100 mil empresas que estejam com as suas contas em atraso até o dia 5 de outubro próximo.
Segundo o estudo da Serasa, cerca de 50% das empresas operacionais estão em situação de inadimplência, ou seja, com algum atraso em seus compromissos. "Nesse momento macroeconômico difícil, as empresas estão com uma necessidade maior de renegociar suas dívidas. Essa ferramenta OnLine aproxima credores e devedores e deve proporcionar acordos com descontos e prazos mais dilatados", diz a gerente de recuperação de crédito da Serasa Experian, Viviane Magalhães.
Na atual edição on-line voltada para pessoas jurídicas, o Feirão Limpa Nome contará com 15 instituições credoras (bancos e empresas). "Trata-se de uma boa oportunidade de reabilitação do crédito, com o objetivo de os empresários retomarem o fôlego para atravessar a crise sem tantos sobressaltos, evitando, por exemplo, a cobrança de juros por atraso nos pagamentos", ressalta o gerente executivo de produtos para empresas da Serasa Experian, Rodrigo Sanchez.
Dados do Banco Central relativos ao último mês de agosto mostram que a inadimplência média (recursos livres e direcionados) acima de 90 dias das empresas está em 2,4%.
Mas essa inadimplência é maior nas linhas com recursos livres (sem finalidade definida), ou seja, naquelas que não são de recursos direcionados. O indicador de atrasos entre 15 a 90 dias com recursos livres cresceu de 2,7% em dezembro para em 3,3% em agosto. E a inadimplência das pessoas jurídicas com atrasos acima de 90 dias, nas modalidades com recursos livres avançou de 3,4% em dezembro de 2014 para 4,1% em agosto de 2015. Pelos dados da Serasa, a inadimplência das empresas cresceu 12,9% nos últimos 12 meses.
Situação das famílias
Na avaliação do especialista no mercado de recuperação de crédito e diretor da PH3A, Marcelo Monteiro, a situação do mercado de trabalho continua em deterioração e deverá afetar o consumo das famílias e a própria inadimplência. "No curto prazo, a situação vai se agravar mais um pouco", diz.
Monteiro contou que devido ao aumento do desemprego e o endividamento, muitos consumidores não estão conseguindo honrar seus compromissos. "Se ela tiver uma dívida no cartão de crédito ou no cheque especial que possuem taxas de juros mais altas deve tentar trocar por uma outra dívida mais barata, ou tentar renegociar ou fazer um acordo com os credores", orientou o especialistas.
Os dados do Banco Central mostram de fato, que a inadimplência no rotativo do cartão de crédito aumentou de 37,2% em dezembro do ano passado para 37,6% em agosto último. No cheque especial, a inadimplência é de 13,8%.
Entre as dívidas renegociadas, o calote recuou de 18% em dezembro de 2014 para 16,2% em agosto último, sinal de que apesar das dificuldades, as pessoas estão tentando honrar seus acordos com os credores. "Há pessoas que renegociam suas dívidas, mas mesmo assim não conseguem pagar. Mas já estamos saindo de uma fase em que as pessoas se endividaram muito com anos seguidos de consumo livre, agora, a tendência é que o crédito para consumo tenha um arrocho na concessão e o endividamento recue", apontou Monteiro, da PH3A.
No próximo mês de novembro, a Serasa deve realizar um novo Feirão Limpa Nome para pessoas físicas. Na última edição física em abril, 15 mil compareceram e 12 mil renegociaram suas dívidas. Na versão pela internet, 4,3 milhões de pessoas se inscreveram para tentar acordos com credores.

Fonte: DCI