Brasil

Especialistas defendem aproximação com UE

20/08/2015

Visita de chanceler alemã Angela Merkel pode esquentar discussão sobre possível acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Queda de barreiras comerciais favoreceria o Brasil

Analistas apoiam maior proximidade comercial entre o Brasil a União Europeia (UE). Para isso, o governo precisa usar uma "lógica" diferente ao negociar com os países europeus, distinta da que é adotada na América do Sul.
Com o Plano Nacional de Exportações, divulgado no final de junho, o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) destacou o objetivo de fortalecer as relações comerciais com a União Europeia. O professor da FEA/USP Fábio Oliva fala sobre a postura que deve ser adotada pelos brasileiros para melhorar esses laços comerciais.
"A visão dos países da União Europeia é mais unificada na hora de negociar, os interesses convergem, por isso as negociações funcionam melhor com o bloco inteiro. É uma lógica diferente da que temos visto aqui na América do Sul, onde há mais divergências entre os países, o que acaba favorecendo trocas bilaterais", afirma o professor.
As vendas brasileiras para a União Europeia, composta por 28 estados do continente, somaram pouco mais de US$ 20 bilhões até julho de 2015. O saldo comercial (exportações menos importações) com o grupo ficou negativo em mais de US$ 2 bilhões. Oliva acredita que o número pode melhorar e destaca o impacto da desvalorização do real no aumento das vendas.
"A questão cambial é sempre importante. Se continuar assim, pode haver um fluxo maior das nossas exportações. A longo prazo, o Brasil precisa investir em produtos diferenciados, como os orgânicos, promover a internacionalização de nossas empresas e buscar mais alternativas às commodities", diz.
Ex-secretário de comércio exterior, Welber Barral lembra a importância da assinatura do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia: "Está sendo negociado há 15 anos e traria uma grande mudança, com queda de barreiras. Mas não é para agora, se trata de uma negociação bastante complexa".
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chegou a Brasília ontem. O objetivo da visita, segundo autoridades do país europeu, é buscar melhores condições de investimentos para empresas alemãs que apostam no Brasil. Mas a discussão sobre o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia deve acontecer, segundo a consultora da Barral M Jorge Renata Amaral. "Há grande possibilidade de o assunto estar em pauta no encontro. Os dois blocos estão se preparando para trocar ofertas oficialmente no último trimestre desse ano", diz.
Em junho, a cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia já havia abordado o tema. Líderes dos blocos firmaram compromisso para apresentação de propostas ainda em 2015.
Pouco antes da chegada de Merkel, o ministro Armando Monteiro, à frente do MDIC, disse que espera para este ano a assinatura do acordo comercial entre os blocos. Segundo Monteiro, a oferta do Mercosul poderá ser entregue ao comissariado europeu em outubro.

Fonte: DCI