Brasil

Capitalização reduz projeção de crescimento

03/10/2014

Fenacap revisou de 20% para 8% a previsão de crescimento para 2014, ancorada na desaceleração econômica; provisões técnicas seguem em alta e fecharam agosto em R$ 28,7 bilhões

A Federação Nacional de Capitalização (Fenacap) revisou para baixo a previsão de crescimento do mercado de títulos de capitalização para 2014: a estimativa passou dos 20% projetados anteriormente para a ordem de 8%.
Segundo o diretor executivo da Fenacap, José Ismar Alves Torres, o mercado foi influenciado pela desacelera- ção da economia e as constantes revisões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que passou de 2%, no início do ano, para 0,7%, em setembro, segundo medição do Banco Central.
"Sobreveio a atividade econômica reduzida. No entanto, apesar do decréscimo [na projeção de crescimento do setor], o mercado continua crescendo em ‘ritmo chinês‘", avaliou Torres.
O último balanço feito pela Fenacap apontou que o faturamento das empresas de capitalização, acumulado até agosto, foi 4,4% maior que o do mesmo período do ano passado - a receita saltou de R$ 13,5 bilhões para R$ 14,1 bilhões.
Se comparado o acumulado de agosto de 2013 com o mesmo período de 2012, contudo, o crescimento foi de 27,1% - o que mostra desaceleração da captação das empresas de capitalização neste ano.

Estoque

Na contramão da receita, as reservas técnicas das companhias do setor - acumulado de depósitos feitos pelos clientes que são devolvidos no resgate do título - teve crescimento expressivo, de 15,7%, passando de R$ 24,8 bilhões em agosto de 2013, para R$ 28,7 bilhões no mesmo mês deste ano.
"Como em 2013 nós tivemos uma grande entrada de novos clientes, as reservas técnicas deste ano estão maiores, pois as pessoas depositam o pagamento do título mensalmente", analisou o diretor da Fenacap.
Ainda segundo o balanço da federação, o valor pago em resgates aumentou 14,1%, saltando de R$ 8,6 bilhões para R$ 9,8 bilhões, e as premiações pagas por meio dos sorteios aumentaram 25,3%, fechando agosto em R$ 801 milhões - R$ 4,7 milhões por dia útil.

Ética

Para o professor de economia da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), Miguel Leôncio Pereira, as pessoas ainda não estão conscientes de como funciona o título de capitalização e muitas vezes adquirem o produto por impulso.
"A compra [do título] não é uma ação do consumidor. É mais a ação de quem está vendendo. A venda é muito feita pelo apelo emocional, nos sorteios", afirmou o professor.
Ele disse ainda que as capitalizações oferecidas junto a apólices de seguros também não são claras para o consumidor. Segundo o balanço da Fenacap, a capitalização na modalidade "incentivo", como a praticada pelas seguradoras, representa 10,2% da carteira de títulos de capitalização.

Fonte: DCI
Autor: Pedro Garcia