Mundo

Iosco sugere mudança de foco na identificação de riscos associados à indústria de gestão de recursos

26/06/2015

Entre os dias 14 e 18 de junho, aconteceu a 40ª Conferência Anual da Iosco (Organização Internacional das Comissões de Valores), em Londres. O superintendente-geral da ANBIMA, José Carlos Doherty, além de comandar a reunião do AMCC (Comitê Consultivo de Membros Afiliados), órgão do qual é presidente, participou também da reunião da diretoria da entidade.

Presidentes das CVMs de 32 países, inclusive do Brasil, estiveram entre os participantes. Entre os resultados da reunião destaca-se a recomendação para que o foco imediato dos esforços internacionais, no sentido de identificar potenciais riscos sistêmicos e vulnerabilidades associadas à indústria de gestão de recursos, seja uma completa revisão das atividades e dos produtos dessa indústria, levando em conta um contexto financeiro global amplo. A diretoria da Iosco considera que essa revisão deve ter precedência relativamente à continuidade do trabalho de definição da metodologia de identificação de instituições sistemicamente importantes no segmento de fundos. Após concluída essa revisão, o trabalho na metodologia de identificação dessas entidades deve ser reavaliado. Essa metodologia foi objeto de consulta recente do FSB (Conselho de Estabilidade Financeira) e da Iosco.

Já a reunião do AMCC discutiu temas como liquidez do mercado de títulos corporativos, instrumentos de regulação transfronteiriça, padrões de conduta nos segmentos de renda fixa, câmbio e commodities e tratamento pela regulação prudencial da indústria de fundos, entre outros assuntos. A reunião contou, ainda, com um painel sobre segurança cibernética. O tema faz parte das diversas iniciativas do comitê para este ano e é considerado prioritário pela entidade.

O superintendente também relatou os avanços recentes dos trabalhos do AMCC na assembleia geral, que reúne os membros da Iosco.

A reunião anual da Iosco contou, ainda, com uma conferência aberta ao público sobre a construção de um novo mundo financeiro. A discussão girou em torno das mudanças culturais e dos novos padrões de conduta, inovação e tecnologia financeira, comportamento dos investidores e os atuais desafios do setor.

Fonte: Anbima