Mundo

Austrália discute poder de minoritários para convocar assembleias

09/12/2014

Na Austrália, qualquer grupo de cem acionistas pode convocar uma assembleia para discutir questões da companhia, independentemente da fatia que detenha do capital social. Da mesma forma, podem fazê-lo acionistas que detenham 5% ou mais do capital votante. E

m novembro, o governo anunciou que pretende acabar com a primeira condição, conhecida como 100-Member Rule, em vigor há décadas. A motivação é evitar que acionistas pouco representativos possam chamar uma assembleia. O mínimo de 5% do capital com voto, por sua vez, continua valendo. O Business Council of Australia (BCA), associação de diretores de companhias, apoia o intento do governo, dizendo que a regra dá poder excessivo e desproporcional a minoritários e ocasiona despesas desnecessárias às empresas.

De acordo com o BCA, os custos para promover uma reunião extraordinária de acionistas podem alcançar 1 milhão de dólares australianos (R$ 2,2 milhões). A Australian Shareholders’ Association (ASA), que representa os acionistas do país, é contra a eliminação da regra. Afirma que a ferramenta foi usada apenas quatro vezes em 30 anos com o objetivo de convocar uma reunião, e 11 vezes para adicionar pautas em assembleias ordinárias. Conforme seu argumento, o correto seria dar ainda mais poder a minoritários, permitindo que incluam propostas na pauta da reunião com apenas dez assinaturas.


Fonte: Revista Capital Aberto - Edição 136 | Dezembro de 2014 > Legislação e Regulamentação > Notas Internacionais
Autor: Bruna Maia Carrion
Link: http://goo.gl/B7LcH1